Desde que me interessei pela arte da mixagem também me interessei pelo setup DJ. Sempre quando vou a uma balada me pergunto “qual é o equipamento que o DJ está utilizando? Está usando CDJ, Notebook, Timecode? Serato, Traktor ou até mesmo o Virtual DJ?”.

É fato que o público normal de balada nem se interessa por essas coisas. O que a turma quer é saber de pegação, bebida, jogar papo fora com os amigos, dançar ao som da pista. Claro que se o DJ sambar, o público nota. Mas saber detalhes sobre a performance, nem.

Voltando ao meu interesse por equipamentos...

A moda de hoje em dia são as controladoras que utilizam o protocolo MIDI para enviar comandos ao software de mixagem. Elas existem nos mais variados modelos, mas a maioria tem alguns controles em comum: Mixer, Efeitos e Decks (play/cue, jog wheel, etc).

Uma evolução deste tipo de controle são os aplicativos para tablets (e smartphones também) que permitem enviar comandos aos programas de mixagem usando ou protocolo MIDI ou algum proprietário. Por exemplo, já temos diversos aplicativos para iPad e iPhone (além de Android também) que permitem comandar o próprio software de mixagem, a mesa de efeitos, iluminação, etc. Tudo na ponta dos dedos.

Eis que recentemente, a Smithson Martín apresenta ao mundo o Emulator DVS (Dual View System), o primeiro sistema DJ Multi-touch do mundo. Trata-se de uma tela (varia de 32’’ à 46’’) multi-touch transparente que reconhece até seis toques simultâneos, que projeta em sua tela uma interface para controle de softwares para DJ, entre muitos outros.

É isso mesmo. Através de uma poderosa interface você pode controlar qualquer coisa em uma pista de dança e o uso não se restringe a isso. Para mostrar o poder do bichão, segue um vídeo feito pela DJ Ban, onde o DJ Will mostra os recursos:

Demonstração do Emulator DVS

Bem, depois do vídeo não preciso nem dizer, né?

Notaram que no título do post tem uma parte que diz “... e o futuro das interfaces para DJs”?

Viajando com meus botões, sempre imaginei-me tocando num club, manipulando a música e efeitos com uma interface touchless, estilo Minority Report. Assim:

Interface Touchless, extraída do filme Minority Report (2002)

Vejam só, uma interface assim foi pensada em 2002!  Hoje temos essa super tela touch do Emulator, será que estamos longe de algo como mostrado na ficção científica?

Versões antigas do Virtual DJ (acho que até a 6.x)  tinham um recurso de captura de movimentos através da WebCam, movimentos estes que eram utilizados para fazer scratch. Até que funcionava, mas claro que não era para ser utilizado em “produção”. Vejam uma demonstração:

Scratch no Virtual DJ através de captura de movimento

Em pleno 2012, já avançamos e muito no quesito captura de movimento. Olha só, podemos jogar video-game sem utilizar joystick, somente fazendo gestos pelo ar! Microsoft Kinect, estou falando com você! Agora você já matou o que eu quero propor: Uma tela transparente tipo o Emulator juntando com a captura de movimento do Kinect ou outro sensor poderoso de captura de movimentos tridimensionais.

Com uma interface dessas, as performances “básicas” ganharão destaque perante o público “normal” de uma balada. Seria algo revolucionário MESMO, mais do que o Emulator sozinho o é.

Agora só falta torná-la realidade, né? “Os DJs pira!!!”

Abraço!

Fontes:
[DJ Ban - Emulator DVS: Vídeo Review (demonstrativo) exclusivo da DJ Ban]
[Smithson Martín - Emulator DVS (site do fabricante)]

UPDATE 21/04/2012: Agora não falta mais tornar isso realidade, pois já o é! Agora é só amadurecer essa idéia e colocar nas pistas, né! Os DJs continuam pirando!!!

Fonte:
[Psicodelia.org - Manipulando a música através de gestos - Conheça o Kinectar]