MVP Se os evangelistas mais radicais da filosofia do Software Livre (a.k.a. freetards) já andavam com um pé atrás com fato de Miguel de Icaza, o co-fundador GNOME (um dos ambientes gráficos mais utilizados na plataforma Linux), desenvolvedor da plataforma de desenvolvimento MONO, vice-presidente da Novell (sim, aquela mesma que é – ou era – a top nas redes corporativas), querer trazer para o mundo Linux coisas do mundo Microsoft, agora eles tem motivo para ficar com os dois pés atrás.

Ele foi nomeado com o título de MVP, que é concedido pela Microsoft à pessoas que são consideradas (por processo de indicações, avaliações, etc) como sendo líderes de comunidades que se destacam por voluntariamente disponibilizar seu conhecimento àqueles que apoiam produtos e tecnologias da Microsoft.

Icaza foi o cara que implementou a idéia de portar a plataforma .NET para o Linux através do Mono, que a esta altura do campeonato está maduro o suficiente para que várias aplicações sejam criadas, e postas em produção, em cima dele.

Só este fato faz brotar nos freetards um sentimento de ódio, nutrido pelo simples fato de que algo feito pela Microsoft seja incorporado ao mundo do Software Livre.

Várias “teorias da conspiração” (a.k.a mimimi) já foram ditas, como por exemplo, “planos malígnos da Microsoft para processar quem usa software livre a torto e direito”, rotulado Icaza como “traidor do movimento”, entre outros.

Certa vez, Icaza disse, em uma entrevista para a Info Exame (trecho da edição de Julho de 2003):

“No mundo do código aberto, as pessoas partem do princípio de que tudo que a Microsoft faz é ruim, que tudo que eles tocam é ruim. Isso é ridículo. Você não deve olhar as coisas simplesmente sob a perspectiva de onde elas vem. Acho que não devemos dar adjetivos como bom ou ruim para as coisas por causa de política ou de valores errados”.
Já faz quase sete anos, isso mesmo, QUASE SETE ANOS que ele fez essa citação e as coisas continuam iguais!

Tá certo, que no passado, a Microsoft tenha feito práticas comerciais nada adequadas, que dilaceraram a concorrência e tal, mas hoje, a coisa está um tanto diferente, em uma época onde o povo tem um maior acesso às informações e pode queimar uma empresa rapidamente.

Até a Microsoft, está bem mais amigável com o mundo do Software Livre, tendo como exemplos o portal CodePlex, o auxílio ao pessoal do Samba, doações à Fundação Apache, entre outras iniciativas.

Esse título de MVP dado ao Icaza, na minha opinião, é uma prova de reconhecimento ao seu trabalho por “intermediar” esses dois mundos tão distintos, o do SL e a MS.

Tem que ter coragem para fazer o que esse cara fez, indo contra a grande maioria dos pregadores da filosofia do Software Livre.

Se o .NET é uma coisa boa (sim, EU acho), a especificação é aberta, está padronizada na ISO, por que não criar N implementações?

Então, para terminar, #CHUPA Feetards! :P

Um abraço!

Fonte: BR-Linux