Experiência com o Windows Seven
Leonel Fraga de Oliveira 27/10/2009 22:54

Recentemente, no dia 24/10/2009, deixei o Bill Gates um pouco mais rico comprei o novíssimo Windows Seven, que foi lançado oficialmente em todo o mundo no dia 22/10/2009.

Caixa do Windows 7 Ultimate

Sim, vocês leram certo: eu comprei o Windows Seven original, versão Ultimate. Claro que ao falar que compraria (ou até mesmo ler/ouvir que eu comprei), algumas pessoas disseram (vão dizer) “baixa da internet” e coisas do gênero. Resolvi que dessa vez, não vou apelar à pirataria, queria que o sistema operacional fosse legal (em todos os sentidos).

Após um excelente encontro com o pessoal da comunidade “Orientais Adultos +/- 25-35” do Orkut, no Mercado Municipal de São Paulo e antes de ir à uma reunião em minha igreja, dei uma passada na Santa Ifigênia para procurar um lugar onde vendia o Seven. Não achei nenhuma loja, onde eu perguntei, só tinham o Vista e o Seven iria chegar em alguns dias. Incrivelmente, a versão “piratex” é a que se mais achava. Todas as barracas tinha.

Um fato curioso, é que em uma das lojas o capivara vendedor disse que arrumaria sob encomenda, sob a bagatela de R$ 900,00 e queria que desse um sinal. Me desculpe pelo baixo calão a seguir, mas quase que mandei o cara se foder.

Disse para ele:

- Isso está superfaturado! O preço OFICIAL, da Microsoft, é de R$ 669,00 em qualquer lugar!
Ele vem me argumentar que o dono da loja adquiriu 18 licenças, e mais algumas para uns notebooks à uns R$ 700,00, coisa e tal. Como eu sabia muito bem do preço, deixei para lá e fui embora da loja.

Este pequeno fato mostra como é importante estar BEM informado antes de comprar algo, evitar deixar-se levar pela falácia de um vendedor, pois ele está lá para isso mesmo: vender. Além de (dever) estar mal informado, esse cara queria me enrolar…

Fui até à Kalunga da Praça Ramos de Azevedo. Lá achei as versões Home Basic e Home Premium, porém, como estava procurando exatamente pela Ultimate, perguntei ao vendedor. Não tinha lá, e após uma consulta ao estoque, verificou-se que haviam duas unidades na loja próxima ao Metrô Carrão. Fui lá e agora sim, me “apossei” do novíssimo Windows Seven Ultimate.

Mas, por que a Ultimate e não a Professional ou a Home Basic / Premium?

Como eu tenho bastante programas legados, além de desenvolver utilizando Delphi 7 e afins, um recurso que utilizarei é o Modo XP (se bem que eu já uso em uma VM…), presente na versão Professional ou acima. Como a diferença de preço da Professional e da Ultimate não é grande (pela ordem de grandeza), resolvi ficar com a versão mais completa possível.

Antes de instalar no meu PC, fiz o backup básico de meus dados no outro PC. Demorou um pouco para copiar pela rede de 100 Mbps, mas foi que foi.

Após o break, vamos entrar na parte técnica da coisa, como foi a instalação, entre outras coisitas mas! Senta que lá vem história!

Primeiramente, vou listar o hardware do meu PC e dizer a você como meu disco rígido está particionado. Vamos lá:

- Placa mãe Gigabyte GA-X48-DQ6 - Processador Core 2 Duo E8400 @ 3,0 GHz (está em stock mesmo) - 4 GB de RAM DDR 2 800 Kingston (2x 2 GB em Dual Channel) - HD Western Digital SATA II, de 500 GB - Placa gráfica Sapphire com chipset gráfico ATI Radeon HD 4870, com 512 MB GDDR5 - Placa de captura Pinnacle PCTV 110i - Kit de Teclado, Mouse e Webcam Microsoft - Monitor LCD 22’’ Samsung SyncMaster T220 - Conjunto 5.1 Logitech - Dongle Bluetooth xing-ling genérico

Dito meu hardware básico, meu disco rígido encontrava-se particionado da segunte forma:

- 80 GB partição primária, instalado o Windows XP (vá com Deus); as outras unidades lógicas mostradas abaixo estão em uma partição extendida. - 85,5 GB, instalado o Windows Vista (também, vá com Deus) - 100,0 GB, dados de usuário (Meus Documentos, pastas de desenvolvimento, downloads) - 100,0 GB, instalação de aplicativos mais “pesados” - 100,0 GB, arquivos de multimídia (músicas, vídeos…)

Com o disco particionado, eu poderia instalar outro sistema e não perder os dados. Mas, para prevenir, fiz backup na outra máquina.

DVD do Windows 7 Na caixa do Windows Seven, vieram além dos manuais, dois DVD’s, um com a versão de 32 bits e outro com a 64 bits. Como tenho um processador que suporta as instruções x64 e 4 GB de RAM, a escolha mais adequada é a versão de 64 bits. Foi a que eu instalei.

Resolvi matar a partição que estava instalado o XP. Sem dó nem piedade, cliquei no Formatar quando me foi apresentado as opções de onde instalar o Windows.

Daí por diante, a instalação foi padrão: configurei o idioma, o layout do teclado, algumas outras informações e os arquivos são copiados.

Instalação do Windows 7 Ultimate

Terminada a cópia, mais um boot, e foi onde configurei a data/hora, conta de usuário, inserir o serial…

Durante o boot, notei uma coisa: ele não apresentou o menu de boot com a opção de startar o Vista. Sim, esse Vista é uma versão pirata não oficial mesmo, deveria ter sido crackeada com um lance de ROM BIOS, alguma coisa assim, pois no boot aparecia algo bem rápido na tela. E outra, a ISO que baixei era bem capada, alguns recursos foram retirados e nem instalava o SP2. Bem, agora posso dizer que essa versão não está fazendo falta nenhuma.

Primeiro boot pós-instalação, o desktop me é exibido, e vou logo ver as propriedades de sistema: TODO o meu hardware básico foi reconhecido de primeira: placa mãe, placa de TV, dongle bluetooth, placa de vídeo.

Ativei o sistema, e ele logo foi fazendo um Windows Update, que atualizou mais alguns drivers e instalou o software da webcam, do teclado e do mouse Microsoft.

Baixei do site da Gigabyte o driver da placa de som, na versão Windows Seven de 64 Bits. Fiz isso para poder ter o painel de controle nativo da placa. Quando eu instalei o Windows, a placa de som foi reconhecida.

UAU!!! TODO o meu hardware reconhecido, e NÃO baixei NENHUM outro driver. Até minha placa ATI não precisou baixar driver! E o vídeo funcionou com Aero e tudo!

Os freetards se gabam pela capacidade do Linux reconhecer bem hardware. Claro que não todos os hardwares são reconhecidos pelo Linux (e pelo Windows também), necessitando de algumas gambis… Dessa vez, o Tio Bill acertou a mão hehe.

Fiz o teste do Índice de Experiência do Windows e obtive nota 5,9, que foi definida pelo meu disco rígido. Abaixo você pode ver o resultado completo.

Índice de Experiência

Agora, hora de instalar o software básico. Vou listar cada programa que instalei, já com as ressalvas:

- Firefox 3.5 –> Fiz backup da versão que eu tinha, 3.0 e restaurei o perfil no 3.5. Algumas extensões deixaram de funcionar, mas não foi por causa do Windows. Funcionou perfeitamente.

- TweetDeck –> Instalou o runtime do Adobe Air. Funcionou perfeitamente.

- Foxit Reader (leitor de PDF)

- Skype

- Windows Live Essentials: Messenger, Writer, Movie Maker e DVD Maker

- Outlook 2003

- Office 2007

- Antivírus Avira (Free Edition)

- Alcohol 120% versão 1.9.8 build 7612: Meu medo ao instalar o Alcohol é na hora de instalar o driver SCSI para a criação das unidades virtuais. Após instalar, ele necessita ser executado como administrador (botão direito, Executar como Administrador) para entrar e pede permissao para execução (olha o UAC entrando em ação!)

- Cyberlink DVD Suite (veio com o gravador de DVD)

- Nero Express 7.9.6.0 (veio com o gravador de DVD)

- Notepad++

- VMWare 6.0 (ele está hospedando VM’s de 32 bits)

- Nokia PC Suite

- Winamp

- K-Lite Mega Codec Pack

- FeedReader (que vem com uma versão do Firebird Embeded)

- PDF Creator

- Picasa 3

- NS Virtual DJ 6.0: Este necessitou ter uma chave do registro alterada. Como ele é um programa de 32 bits, o Windows Seven instalou-o em uma pasta “Arquivos de Programas (x86)”. No registro, a chave HKLMSOFTWAREWow6423NodeVirtualDJHomeFolder estava apontando, em formato de nome do DOS, à pasta “Arquivos de Programas” (onde são instalados os programas de 64 bits). Só foi mudar essa chave e meu programa de mixagens, onde produzo os podcasts do NM Light, começou a funcionar de boa! :-D

- Visual Studio 2008 (alguns componentes são x64)

Todos os programas acima são de 32 bits, e até agora não tive nenhum problema.

Jogos: Além de alguns joguinhos antigos, como Duke Nukem, Need for Speed Underground, que rodaram bem, testei o Racedriver GRID, um jogo um pouco mais pesado, para testar a necessidade de baixar o driver da placa de vídeo do site da ATI: não precisei baixar nada, o jogo rodou de boa, em resolução 1650x1080, com 2xAA e detalhes no máximo. Não cheguei a contar a taxa de frames por segundo, mas não tive nenhum engasgo.

Desktop do Windows 7

Testei também a multimídia, especialmente a integração com a placa Pinnacle PCTV 110i, que meu deu um trabalhão no Vista: O Windows Media Center funcionou perfeitamente, tanto rádio quanto TV, não presenciei aquele delay que relatei neste post. O chato é que para utilizar a entrada S-Video, ele continua insistindo em uma interface de controle remoto :-(

O Media Player Classic também funcionou de boa, e por ele, posso trocar para a entrada S-Video, ter o áudio através do Line-in da placa de som que tudo fica bem. Sim, não houve aquela tela de erro, como estava no post onde eu relatei a minha epopéia para usar a placa de captura.

Só que o WinampTV não funcionou… aí sim, acho que ele só funciona em SO’s de 32 bits.

Senti um pouco a diferença da barra de tarefas, especialmente na hora de abrir uma janela específica de um grupo e com a localização dos itens no Painel de Controle, pois estava acostumado ao jeitão clássico, mesmo no Vista.

Também demorei um pouquinho para descobrir como se acrescenta novos itens à pasta Programas do novo Menu Iniciar: Em uma pasta qualquer em “Todos os Programas”, cliquei com o botão direito e vi o seguinte caminho: “C:ProgramDataMicrosoftWindowsStart MenuPrograms”. Dentro dele, criei uma nova pasta, porém ao arrastar os arquivos com o botão direito para criar o atalho, o Windows mostrou uma mensagem que não pode ser criado.

Pois bem: Criei o atalho na própria pasta do programa e o movi para essa pasta nova no Menu Iniciar. Foi de boa.

E os Meus Documentos? Como meu disco estava particionado, não necessitei de restaurar o backup que tinha feito: os dados estavam todos lá. Aí só foi colocar o meu diretório de uma das partições como um local da biblioteca Documentos. Menu Iniciar, botão direito na pasta Documentos, Propriedades. Depois, clique no botão “Incluir uma Pasta” e aponte o caminho desejado. Veja a tela abaixo:

Biblioteca Documentos do Windows 7

Fiz a mesma coisa para as bibliotecas Músicas e Imagens.

Biblioteca? Sim, agora os “antigos” Meus Documentos, Minhas Músicas e Minhas Imagens podem apontar para mais de um lugar, para o mesmo usuário, como mostrado na imagem acima.

Falhas, telas-azuis e afins? NENHUMA. Sim, o Seven está perfeito na minha máquina. Que me desculpem os freetards, mas dessa vez, o Tio Bill acertou a mão (sim, estou repetindo isso!)! A máquina está rodando muito melhor com o Seven x64. Linux? Eu uso em máquinas virtuais. Embora eu tenha adorado o Seven, não sou nenhum Wintard ou MSTard (talvez um CSharptard… quem sabe) ;-)

Leonel Fraga de Oliveira Leonel Fraga de Oliveira é formado em Processamento de Dados na Faculdade de Tecnologia de São Paulo (FATEC-SP - 2002) e anteriormente em Técnico em Eletrônica, pela ETE Professor Aprígio Gonzaga (lá em 1999).
Atualmente trabalha como Analista de Sistemas na Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul - SP
Tem como hobbies DJing (também trabalha como DJ freelancer) e ciclismo, além da manutenção dos sites NeoMatrix Light e NeoMatrix Tech.
Gosta de música eletrônica, tecnologia, cinema (super fã de Jornada nas Estrelas), gastronomia e outras coisas mais.


Compartilhe nas redes sociais

   

Deixe seu comentário

comments powered by Disqus