Você tem liberdade criativa na sua empresa?
Leonel Fraga de Oliveira 29/04/2009 14:10

brain

Você que é desenvolvedor ou programador, tem a liberdade para fazer inovações de código, bolar frameworks, metodologias de desenvolvimento ou outros na sua empresa?

Ou apenas programa seguindo uma “linha de produção” previamente definida, fazendo somente aquilo que o script manda sem dar sugestões de novas tecnologias e afins?

Aqui no NeoMatrix Tech tenho pelo menos dois grandes exemplos de coisas que utilizo na empresa que trabalho e que ou criei do zero, ou fiz grandes melhoramentos: A Classe de Conexão e o Sistema de Controle de Acesso.

Ambos os itens mencionados acima são largamente utilizados nos projetos de onde eu trabalho, e inclusive a metodologia de desenvolver a interface do programa separada das classes de negócio eu que comecei a adotar.

Quando fico um tempo ocioso, começo a pesquisar sobre algumas coisas e fazer vários testes de código, crio programas que não tem muita funcionalidade, porém lá na frente aquilo poderá ser muito útil.

Foi assim que construí um gerador de classes C# que lê uma tabela de um banco de dados e cria uma classe C#, utilizando-se dos métodos padronizados da Classe de Conexão. Só uma afinada depois e temos tudo funcionando.

Estes exemplos foram para ilustrar que se você, na sua empresa, goza de certas liberdades consegue criar muitas coisas que inclusive torna-se padrão na empresa.

215200821544Yahoo_Criativos_notaMas estas liberdades estão fortemente atreladas ao tipo de empresa que você trabalha e do seu cargo, logicamente.

Supondo que você trabalhe em uma fábrica de software de grande porte no cargo de programador, sua tarefa será a de atender as especificações que são repassadas pelo analista, praticamente sem pestanejar.

Terá que seguir à risca as especificações técnicas do projeto: utilizar, se houver, o framework determinado, convenções de nome de variáveis, classes, o que for, e fazer todo o programa dentro do prazo, que geralmente é muito curto.

Com o prazo curto e a obrigação de seguir especificações, a liberdade criativa do programador fica bem (para não dizer totalmente) podada.

Não sobra tempo para pesquisar, e as pesquisas são feitas com o intuito de apenas resolver um problema específico e pontual, mais nada.

A criação de padrões nesse tipo de empresa fica a cargo dos analistas ou gerentes, que também tem o trabalho de homologar e treinar o pessoal para seguir as novas metodologias, novas ferramentas, frameworks, etc.

Agora, como no meu caso, que trabalho em empresa de porte pequeno, e na minha “posição” de ser a pessoa mais “experiente” em C# lá, fica mais fácil definir a forma na qual trabalho, principalmente no que diz respeito às ferramentas utilizadas e os padrões de codificação, reaproveitamento de código, essas coisas.

E particularmente eu gosto exatamente desse tipo de serviço: pesquisar novos códigos, padrões, repassar estes padrões, ou seja, suporte ao desenvolvimento. Também gosto da parte de análise, aquela fase antes de surgir as linhas de código, o contato com o cliente no que diz respeito ao negócio em si. Já a parte de helpdesk, principalmente quando muitos projetos estão na minha mão no que diz respeito a programação, sinceramente eu não curto. Fica muito complicado administrar as coisas, o foco acaba sendo perdido e até recuperá-lo leva um bom tempo. Mas isso é assunto para outro post.

E para isso, liberdade para criar coisas é necessária.

Afinal, já que será de minha responsabilidade assumir o posto de “mentor”, precisarei do máximo de recursos possíveis para ajudar a quem necessitar.

E convenhamos: se você tem liberdade criativa, aproveita essa liberdade e se destaca, as coisas ficam muito boas para você, em todos os sentidos.

Ganha a confiança de quem está a sua volta, o reconhecimento, ou seja, realização profissional. Principalmente se faz o que gosta, o que é o meu caso.

E você, tem liberdade para criar e definir padrões na sua empresa?

Um abraço!

Leonel Fraga de Oliveira Leonel Fraga de Oliveira é formado em Processamento de Dados na Faculdade de Tecnologia de São Paulo (FATEC-SP - 2002) e anteriormente em Técnico em Eletrônica, pela ETE Professor Aprígio Gonzaga (lá em 1999).
Atualmente trabalha como Analista de Sistemas na Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul - SP
Tem como hobbies DJing (também trabalha como DJ freelancer) e ciclismo, além da manutenção dos sites NeoMatrix Light e NeoMatrix Tech.
Gosta de música eletrônica, tecnologia, cinema (super fã de Jornada nas Estrelas), gastronomia e outras coisas mais.


Compartilhe nas redes sociais

   

Deixe seu comentário

comments powered by Disqus