Minha história de amor com a Informática e a Tecnologia
Leonel Fraga de Oliveira 23/03/2009 22:59

Assinatura do Tux Dando uma pequena pausa nos artigos de programação (logo vão ter mais, vamos dar uma destrinchada em alguns métodos interessantes da Classe de Conexão e aprender um pouquinho de Reflection com eles :-) ), nesse post vou escrever a minha jornada no mundo da informática, como comecei a mexer com computadores, programação e afins.

Depois do break, como diria no Rá-Tim-Bum, SENTA QUE LÁ VEM HISTÓRIA!!! :P

Lá pelos meados de 1995, quando fazia a 8ª série do ensino fundamental (antigo 1º grau), foram algumas pessoas para fazer a propaganda de um clube de informática chamado Clube do Micro (já extinto, que ficava no também extinto Shopping Diretão, em São Miguel Paulista), onde existiam alguns computadores ligados em rede e que pagando uma mensalidade poderíamos utilizar os micros por algumas horas no mês, além de fazer alguns cursos por lá mesmo.

Tirando a parte dos cursos, o mais próximo que podemos chegar hoje em dia são as lan-houses, por causa dos micros ligados em rede, e ter alguns programas instalados, como jogos, e naquela época eu nem imaginava que existia Internet e cia :P.

E claro que fiquei deslumbrado, afinal, mexeria em um computador e bem dizer “enchi o saco” da minha mãe para ir lá fazer a inscrição. E a fiz!

Lembro até hoje o meu número de matrícula: 571.

Certificado do meu curso de DOS :P A primeira coisa que fiz lá era praticar digitação através de um joguinho (em DOS) em que as letras caiam da tela, e para evitar que elas cheguem à parte de baixo da tela tínhamos que pressionar a letra que está caíndo.

Fiquei nessa um tempo, e navegando pelo menu que tinha nas máquinas, feito com com alguns programas em DOS que capturavam a tecla em um arquivo .bat (não era o CHOICE, porém não lembro do nome desse programinha agora) brinquei com alguns joguinhos, tais como o Golden Axe, Alley Cat, Arkanoid, entre alguns outros.

E fiz também cursos de DOS, Windows (3.1), Wordstar, Word (2.0), Excel, Lotus 1-2-3. Tenho os certificados aqui, vocês poderão ver abaixo no slideshow no final do post ;-)

Já queria ter meu próprio computador.

As máquinas que tinham lá variam, desde 286 até 486, sendo algumas equipadas com monitor VGA monocromático e as menos poderosas com monitor CGA de fósforo verde ou até mesmo laranja. E tinha uma com monitor CGA Colorido!!!

Memória? Hum… os mais poderosos tinham acho que 4 MB de RAM. As outras só mesmo com a memória convencional.

E HD? Eram estações diskless. Davam boot através de um servidor, e todos os dados dos alunos eram armazenados nele. Hora ou outra o HD do servidor era formatado.

Para fazer backup dos dados (nossos, dos alunos), uma máquina ou outra é que tinha drive de disquete.

E quando vi um micro com monitor VGA colorido pela primeira vez… nossa, que vontade de ter um micro.

Fiz, a partir de 1996, o colegial técnico (atual ensino médio, naquele tempo fiz o colegial integrado com o técnico, em um curso de 4 anos) em Eletrônica na E.T.E Prof. Aprígio Gonzaga, no bairro da Penha, em São Paulo – SP, justamente com a intenção de trabalhar com hardware de PC. Acabei fazendo estágio e trabalhando efetivo por 6 meses em manutenção de placas de telefones públicos à cartão. Mais tarde, já formado do técnico, fiz um curso de manutenção de micros na escola Compuway, porém nunca cheguei a trabalhar montando micros.

Desde criança gostei de eletrônica, e mesmo sem entender muita coisa lia uns fascículos do curso à distância que meu pai fez pelo Instituto Monitor, além das revistas “Saber Eletrônica”.

Minha primeira revista de Informática Comprei minha primeira revista de informática e nem tinha PC ainda. Era o primeiro número da revista Soft Easy, de uma editora de João Pessoa – PB onde vinha um disquete com alguns programas compactados (o slogan era: “O melhor do shareware em disquete”).

Onde eu usava esse disquete? Instalava os programinhas lá no Clube do Micro, e quando ia para a casa do meu primo, que nessa época tinha um 486, instalava lá.

Perto do final de 1996, comprei meu primeiro PC. Um Infoway Itautec, com processador Pentium 133 MHz, 16 MB de RAM, 1.2 GB de disco rígido, placa de vídeo ATI Mach 64 com 1 MB (expansível à 2 MB) integrada, placa de som com modem de 28.8 Kbps integrado MM AT 3100 da Aztech Labs, Placa de captura de TV.

Manual do meu primeiro PC Eu queria o PC com DOS e Windows 3.1, que era o que eu sabia mexer. Veio com o Windows 95, e eu bem dizer aprendi “na marra”. Foi uma experiência bem interessante.

Nossa, adivinhar que tinha que configurar o PC para reiniciar em modo DOS para rodar determinados programas, resolver um confilto de IRQ entre a porta MIDI e a LPT1 que veio DE FÁBRICA :P

Eu já guardava vários programinhas copiados backupeados do Clube do Micro e do meu primo.

Vejam o comercial que passava na TV:

Ele funciona até hoje, mas claro com modificações: modem de 56k, outro monitor, HD de 10 GB (a placa mãe reconhecia até 8 GB, mas um programa chamado Disk Manager, da Seagate, instalava o LBA no MBR, aí o S.O. – Win 98 na época – reconhecia os 10 GB)…

Meu primeiro contato com uma linguagem de programação foi em 1997, quando me inscrevi em um curso de Clipper promovido pelo SERT.

Estava no segundo ano do ensino médio, e as aulas eram ministradas na própria escola. Tínhamos uma aula de cidadania e outra do curso em si.

Aprendi a fazer uma interface com o usuário, comandos de entrada e saída de informações, mexer com banco de dados (dBase), estruturas de uma linguagem…

Foi legal, consegui aprender bastante coisa e já fiz alguns programinhas mais elaborados, só para treinar mesmo.

E por falar no curso, tinha uma japonesinha muito bonita, o nome dela é Tânia, se não me engano… que belezinha, que olhinhos puxadinhos mais lindos… Sim, desde essa época eu já era um Asiantard :P

Dentro do curso de Eletrônica, tínhamos uma disciplina que era Informática. Basicamente era aprender os conceitos básicos, comandos do DOS, essas coisas. As aulas, pelo perdão da palavra, eram toscas. Nelas vimos um pouquinho de linguagem C e Pascal, mas ben dizer não deu para aprender NADA. Já com o Clipper conseguia me virar bem, até uma vez sugeri para a professora ensinar ela, e não é que pelo menos vimos uma coisinha de Clipper!

Formado do curso de Eletrônica, com os 4 anos cumpridos SEM REPETIR DE ANO (sim, naquela época repetíamos de ano!), depois de sair da empresa onde eu trabalhava consertando placas de telefone público, resolvi que queria fazer uma faculdade mais voltada para a área de software, programação: Ciências da Computação, Engenharia (mais para hardware) ou Processamento de Dados.

Fiz um ano de cursinho no Etapa e consegui passar no curso de Processamento de Dados pela FATEC-SP, no período da tarde.

A partir daí vi que um software não são apenas linhas de código, vi que existem muitas coisas envolvidas nisso, como requisitos e principalmente pessoas.

Sim, pessoas. São elas que irão ditar como os sistemas irão se comportar. Linhas de código são apenas a parte quase que final do processo da construção de um sistema.

Aprendi a programar em Pascal, C, Java, Cobol, Delphi entre outros, os métodos e passos para análise de sistemas, noções de administração, economia, entre outras coisas.

Foi aí que vi que era isso o que sempre queria mesmo.

Meu primeiro estágio foi de suporte técnico na Procuradoria Regional da República da 3ª Região, onde eu ficava em uma sala aguardando os chamados dos usuários.

Era problemas de todos os tipos: Cabos de rede quebrados, instalar programas para os usuários, ensiná-los a mexer nos programas, trocar cartuchos e toner de impressora, entre outras atividades, tais como baixar os arquivos para auditoria das catracas eletrônicas.

Foi nesse estágio que comecei a juntar grana para montar um micro. O Pentium 133 estava lá, valente, resistindo mesmo não podendo rodar os programas mais atuais para a época, e precisava urgentemente trocar de micro.

Meu 2º PC Comprando um item de cada vez, finalmente consegui montar uma máquina decente para a época: Processador Intel Celeron 2.5 GHz, 256 MB de RAM, Placa mãe ASUS P4V8X-X, Gravador de CD, Placa de vídeo GeForce 4 MX 440, com 64 MB (como eu ainda não estava interado a respeito das VGA’s, comprei uma com barramento de 32 bits na memória, mas só fui descobrir isso depois), HD de 160 GB (eu usava o de 10 na outra máquina até comprar outro HD).

Claro que essa máquina, com o tempo foi sofrendo upgrades: VGA Radeon 9550 com 256MB e 128 bits, Placa de captura Pinnacle PCTV 110i, HD de 320 GB SATA, Gravador de DVD, 2 GB de RAM, monitor LCD de 19’’. Até hoje ela está ativa, mas não como meu PC principal (agora ele é usado pelo restante da família).

Meu primeiro contato com a Internet foi nos meados de 1999, quando acessei através de um quiosque em uma agência dos Correios. Fiz um e-mail em um serviço que a antiga BCP (atual Claro) prestava para seus clientes, que poderiam ter um email @bcponline.com.br, e me cadastrei em sites de curriculum para conseguir um emprego em eletrônica.

Em casa, só fui ter Internet em 2001. Comecei usando o modem de 28.8 do Pentium 133 (sim, esse PC ficou bem dizer uns 5 anos com o modem virgem, pois não tinha linha telefônica em casa na época hehe), depois feito o upgrade par ao 56K e em 2003 assinamos um serviço de banda-larga.

Frequentava direto os chats do Zip.NET, do Terra e do UOL, usei muito o ICQ (até hoje lembro do meu UIN e conecto com ele as vezes :-) ), também acessava com muita frequência o site da colônia nikkey Hainet (claro, qual Asiantard não passou por esse site, hein?), ouvia músicas no extinto Usina do Som, onde eu comecei a ouvir trance para valer (meu primeiro contato com o trance foi em um programa da rádio Transamérica, o Ministry of Sound, que não tem mais :-(), e estudava também.

Um programa de bate-papo que gostei bastante foi o TiVejo. Era um chat com voz e câmera, em salas que comportavam até 200 pessoas. Ele era uma “subsidiária” do programa Paltalk, era bem dizer um “Paltalk localizado para o Brasil”. Criei a minha conta lá no dia 09/11/2001 (no profile mostra :P).

Hoje apenas tem o Paltalk, o TiVejo está extinto, porém o grupo que eu mais frequentava continua na ativa com uma mail list no Yahoo. Boas amizades eu fiz lá, algumas se tornaram reais.

Em 2005, finalmente consegui um estágio na área de desenvolvimento.

É, finalmente estou trabalhando naquilo que eu amo fazer: programar e analisar sistemas. Claro, tem a parte de suporte ao usuário, que não é muito a minha praia principalmente quando estou mexendo com código, mas faz parte.

Comecei programando em Delphi 7, passei um pouco por ASP, VBA (Access) e PHP, e finalmente C# e ASP.NET.

Meu primeiro contato com o C# e o ASP.NET foi para dar manutenção em um dos sistemas desenvolvidos, e suei frio. NUNCA tinha contato com C#, ASP.NET, só sabia a sintaxe dos comandos de C. Classes do Framework? O que era isso!

Fui aprendendo na marra, e nos momentos de dúvida perguntava aos colegas ou consultava na Internet.

Foi aí que fiz um curso de ASP.NET e C# na Wincomp, e lá comecei a entender o que tudo aquilo que mexia queria dizer.

Saí de lá bem mais tranquilo em relação à plataforma .NET, e logo em seguida já fiz meu primeiro sistema em .NET.

É um sistema de gerenciamento de instalações de dispositivo antifurto, com funções de agendamento, exportação para as seguradoras, pesquisas, ordens de serviço…

Começou pequeno e com código tosco… hoje ele está bem melhor, mais estruturado, maior, código mais otimizado. Com ele aprendi de vez C#.

Foi a partir deste sistema que construí a minha Classe de Conexão, baseando-se no que eu aprendi no curso da Wincomp.

A partir daí só foi mais crescimento, e estou onde estou hoje! Reconhecido pelo meu trabalho, podendo ajudar a quem eu posso, conhecido como “o cara que mexe com computador”, etc :P

E claro que com um emprego melhor e com a tecnologia avançando, senti a necessidade de uma máquina mais potente. Montei uma, que agora só eu uso (como eu disse, o outro PC está em outro cômodo da casa e a família usa ele), que eu descrevi nesse post.

Enfim, é isso! Um abraço e até a próxima!

Leonel Fraga de Oliveira Leonel Fraga de Oliveira é formado em Processamento de Dados na Faculdade de Tecnologia de São Paulo (FATEC-SP - 2002) e anteriormente em Técnico em Eletrônica, pela ETE Professor Aprígio Gonzaga (lá em 1999).
Atualmente trabalha como Analista de Sistemas na Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul - SP
Tem como hobbies DJing (também trabalha como DJ freelancer) e ciclismo, além da manutenção dos sites NeoMatrix Light e NeoMatrix Tech.
Gosta de música eletrônica, tecnologia, cinema (super fã de Jornada nas Estrelas), gastronomia e outras coisas mais.


Compartilhe nas redes sociais

   

Deixe seu comentário

comments powered by Disqus