Parem o mundo que eu quero descer. Só gostaria que quem promovesse isso, se tornasse portador de necessidades especiais.

A imagem chocante de hoje (30/11/2015) é a de um outdoor instalado à Rua Santa Cecília, no bairro Vista Alegre, em Curitiba – PR.

De autoria do “Movimento pela Reforma de Direitos”, a mensagem pede o fim dos privilégios para deficientes. A reportagem da rádio Banda B, de Curitiba, procurou o grupo responsável pelo Facebook, em página com apenas uma curtida e sem outras formas de contato. Em uma das postagens, eles dizem:

Redução em 50% das vagas exclusivas pra deficientes; fim das cotas para deficientes em empresas; redução em 50% de filas e assentos exclusivos para deficientes; fim da isenção de impostos na compra de carro zero; fim das cotas em concurso público e fim à gratuidade para deficientes.

E a resposta que os caras deram à rádio foi a seguinte (grifo meu):

Somos os responsáveis pelo outdoor  sim. Nosso movimento acredita que podemos tornar toda a sociedade mais justa trazendo mais justiça para alguns direitos, equiparando alguns benefícios com todos. Estamos um pouco receosos com alguns comentários que já apareceram aqui na página e preferimos não dar nossos nomes ou aparecer nesse momento. Mas vamos continuar nossa causa. Ainda hoje aqui no Facebook, vamos lançar as leis que acreditamos tornar a sociedade mais justa.

Bem, o capivara do tal “Movimento pela Reforma de Direitos” sabe que está falando e promovendo merda e por isso está se acovardando em não dar o nome e mostrar a cara, né? Ele diz que está um pouco receoso, ou em português claro, com o cu na mão, devido aos comentários que já estão chegando para eles.

Não sei como é a regulamentação dos outdoors em Curitiba, mas acho que deve ter alguma empresa que é proprietária do espaço e que faz o outdoor e providencia a instalação. Que tal checarem essa empresa, e a lista de clientes dela? Deve haver a possibilidade de entrar com pedido judicial para isso.

São poucos os lugares que possuem acessibilidade para tornar a vida dos portadores de necessidades especiais mais simples e digna. Estacionamentos possuem poucas vagas para idosos e deficientes em comparação com as vagas normais, e ainda as pessoas NÃO respeitam as vagas reservadas.

Se uma empresa, seja público ou privada, vai ou não ter cota para deficiente é problema da empresa. Normalmente as vagas de emprego destinadas a deficiente são aquelas que não exigem do físico, e caso a empresa não tenha cota ela pode pleitear a vaga pelo processo de ampla concorrência. Mas mesmo assim, o número de vagas destinadas às pessoas portadoras de necessidades e que estão em ampla condição de trabalhar são raras, e essas pessoas sofrem preconceito por conta da deficiência.

Fim dos impostos na compra de carro zero… Bem, que tal tirar os impostos na compra de carro zero dos taxistas, que também possuem essas regalias, como esse grupelho diz?

Isso tudo NÃO são privilégios para deficientes, e sim direitos. Direito de ter acessibilidade e poder ser o mais independente possível.

Mas veja só, que tal o grupo mostrar a cara e sustentar o posicionamento, mesmo que preconceituoso e excludente? Medo da fúria popular, de sofrer violência e outras coisas?

Embora eu me declare de centro-esquerda, esse posicionamento político possui algumas pautas que não sou a favor. Por exemplo, sou, abertamente, contra cotas raciais e a favor da redução da maioridade penal e não me escondo por ter essa posição. Não tenho o costume de provocar esse tipo de discussão em minhas redes, é improdutivo discutir já que ninguém mudará a minha opinião e não mudarei a opinião de ninguém, porém se perguntarem qual a minha opinião direi abertamente.

Você tem o direito de ser a favor ou contra o que for. Porém assuma sua posição e não se esconda ao dá-la, mesmo que vá contra a maioria e segure o B.O., se não quer ser taxado de covarde.

Fonte: DCM