Um jornal a serviço do PiG que usa de táticas sacanas para obter assinantes

É certo que a mídia impressa está em declínio de audiência. Cada vez menos pessoas consomem jornais e revistas e trocam essas mídias pela Internet, o que faz com que os veículos que outrora publicavam em papel precisassem reinventar seu modelo de negócios.

Em desespero para crescer sua base de assinantes, o jornal Estado de São Paulo está oferecendo degustação de 30 dias de assinatura, só que com um pequeno porém: eles cadastram a assinatura primeiro sem você solicitar e depois o futuro ex-assinante liga para cancelar.

Ultimamente venho recebendo com certa frequência ligações do Estadão, logo digo que NÃO estou interessado em assinatura e desligo. Como aparece o número da central no meu celular, até coloquei-o em uma lista negra para que a ligação seja derrubada automaticamente.

Eis que no domingo (21) olho em minha caixa de email e uma grata surpresa (sqn): um email do Estadão com o assunto "Bem-vindo", e no corpo dizendo que estão muito satisfeitos em receber minha assinatura e que eu possa aproveitar ao máximo seu conteúdo.

Mas pera ae... QUE PORRA DE ASSINATURA? Eu não me lembro de ter solicitado assinatura do Estadão. Pois bem, cadastrei os meus dados no site (basicamente um login e senha, já que o meu email está na base deles) e qual não foi a minha surpresa quando me deparei com todos os meus dados (endereço e telefone) lá, e no extrato constando algumas parcelas a vencer que totalizam quase R$ 1000,00? Essa assinatura foi cadastrada no dia anterior (20).

Fiz uma pesquisa e não tive surpresa nenhuma ao ver várias reclamações do gênero no site Reclame Aqui, e após contar o feito para uma pessoa que já trabalhou no telemarketing para este jornaleco ela me confirmou que ela mesma teve problemas com isso e que esse é o modus-operandi deles: cadastram a assinatura a título de degustação e depois que ligue para cancelar, ou seja, se esqueceu de cancelar as parcelas serão debitadas.

Como era domingo, aguardei até o dia seguinte e liguei na central de atendimento (4003-5323), falei com um atendente sobre o ocorrido  e pedi o cancelamento, o que foi feito sem burocracia. Inclusive a atendente me disse que essa assinatura era a título de degustação e mesmo assim pedi para cancelar sem cerimônias, e disse a ela que foi feito sem minha autorização.

Bem, para que esse processo fosse feito de forma rápida e sem que a atendente questionasse os motivos, as atendentes da central do Estadão já devem estar sabendo deste procedimento e várias pessoas já devem ter feito o mesmo.

Além de não concordar com a linha editorial do jornal, que faz parte do famoso PiG (Partido da Imprensa Golpista), essas atitudes para angariar novos assinantes faz com que a credibilidade do Estadão vá ainda mais por água abaixo.

Que vergonha, hein! Uma entidade centenária fazendo jogo sujo para ganhar assinantes...