É possível separar a política do futebol na Copa 2014?
Leonel Fraga de Oliveira 11/05/2014 22:30

Estamos a um pouco mais de 30 dias para a Copa do Mundo 2014 FIFA no Brasil, e muito se discute sobre a convocação da Seleção Brasileira e se o técnico Felipão e a sua Família Scolari versão 2014 conseguirá o tão sonhado hexacampeonato mundial. O Brasil já não é o "país do Futebol", e embora exportamos vários jogadores para o exterior o nível de nossos campeonatos é baixo em relação ao de fora, principalmente o europeu. Isso falando apenas de futebol dentro das 4 linhas.

Saíndo das 4 linhas, por aqui discutimos o superfaturamento nas obras dos estádios e demais estruturas de mobilidade, tais como expansão dos aeroportos e malha viária (isto quando tem-se tais obras).

Basta lembrarmos que estamos no Brasil, e onde há dinheiro público sempre os nossos políticos dão um jeitinho de embolsar boa parte da grana e deixando obras inacabadas, mal-feitas, entre outros. Na época o (ex-)presidente Lula e o (ex-)presidente da CBF Ricardo Teixeira disseram que não haveria dinheiro público na Copa. Bem, agora as arenas foram bancadas praticamente por 80% de dinheiro público.

A corrupção que está envolvida nas mega-construções da Copa "respinga" no selecionado brasileiro: muitas pessoas (eu incluso) torcerão contra a Seleção Brasileira nesta Copa por causa da corrupção de nossos políticos.

Não é de hoje que o futebol pode ser usado como componente de política de pão-e-circo no Brasil. Nos anos 1970 a seleção foi utilizada como "ópio do povo" para tirar o foco da ditadura militar vigente à época. No ano de 2014, uma possível vitória da Seleção pode ser utilizada para tirar o foco dos escândalos envolvendo principalmente o governo federal, ocupado pelo Partido dos Trabalhadores (PT).

Estamos em ano eleitoral, e a vitória do Brasil no futebol pode ser um "instrumento de perpetuação" do PT no governo federal, pois ele usará essa vitória a seu favor nas campanhas eleitorais, e como foi praticamente o PT através do Lula que trouxe a Copa para cá...

Note que apenas falei sobre política de Estado, porque se for colocar a política da CBF (uma entidade privada, porém ela recebe muito dinheiro público) no meio, a coisa vai FEDER ainda mais, então vou pular esta parte.

Alguns dizem que devemos separar a parte política da futebolística, mas creio ser difícil. Inclusive quem fala isso no rádio é um cara que LUCRA com a Copa, trabalhando para um dos patrocinadores. Aí não dá, né seu Benjamin Back!

Particularmente não quero mais o PT no governo federal, e acho que uma derrota da Seleção é capaz de abrir os olhos da população para a política. Será que o Gigante vai acordar de novo no período de Copa? PS: Antes que falem, coxinha, tucanalha e o escambau é a vovozinha. Também não quero o cheirador Aécio Neves no poder.

Ah, mas você é são-paulino, não está com "dor de cotovelo" por causa que o Corinthians vai ter seu estádio e o do seu time foi preterido?

Não, meu caro. Não estou com dor de cotovelo e não precisa me dar beijinho no ombro não. E inclusive fez bem o SPFC se livrar dessa loucura. Não sou contra o fato do SCCP ter seu estádio, e sim da maneira como tudo foi arquitetado, o jogo político que foi feito em cima de tudo isso. E mais uma vez com influência direta do PT, pois se não fosse o Lula...

Como é do conhecimento de vocês, o estádio tem seus custos ultrapassando o 1,2 bilhão de reais, e 1/3 disso é bancado diretamente por dinheiro público da Prefeitura de São Paulo com os CIDs (sim, o restante vocês vão ter que pagar para o BNDES, Odebrecht para que a arena possa ser de vocês em definitivo). Quatrocentos milhões de reais a FUNDO PERDIDO e para um estádio PARTICULAR, além das benesses com documentação, isenção de impostos e o cacete a quatro.

Porque quando se fala em obras nos estádios de Palmeiras e São Paulo a Prefeitura cria inúmeras dificuldades? Onde está a porra da isonomia?

Antes que digam "mimimi teve dinheiro público no Morumbi", chequem documentos da época e verão que a mesma quantia foi dada para TODOS os clubes (SPFC, SCCP, SEP) que aplicaram a grana nos mais diversos propósitos.

E os corinthianos ficam de mimimi pois há setores da imprensa que chamam o estádio pelo apelido Itaquerão, sob justificativa que isso dificultaria a venda dos direitos de nome. Porra, o estádio não fica em Itaquera? Aqui as arenas NUNCA são chamadas pelo naming-right, quiçá pelo nome oficial (ex: Morumbi = Cícero Pompeu de Toledo, Pacaembu = Paulo Machado de Carvalho, Allianz Parque = Palestra Itália = Parque Antárctica, etc), e sim pelo seu "apelido". E outra, torcedores adversários (como eu) que NUNCA vão chamar pelo nome oficial mesmo! Pelo menos de minha parte, Itaquerão será o apelido que irei utilizar quando não quero ofender, porque de resto chamarei por Gambazão, Galinhão, Isentão, Privadão do Kassab, Estádio Municipal Presidente Luís Inácio Lulla da Silva, entre outros.

Enfim, nessa Copa não irei separar a política do futebol pois as entidades Estado e CBF diretamente ligadas, e na minha opinião uma derrota da Seleção será um chute no traseiro dos corruptos que foram personagens nos bastidores da Copa 2014.

Leonel Fraga de Oliveira Leonel Fraga de Oliveira é formado em Processamento de Dados na Faculdade de Tecnologia de São Paulo (FATEC-SP - 2002) e anteriormente em Técnico em Eletrônica, pela ETE Professor Aprígio Gonzaga (lá em 1999).
Atualmente trabalha como Analista de Sistemas na Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul - SP
Tem como hobbies DJing (também trabalha como DJ freelancer) e ciclismo, além da manutenção dos sites NeoMatrix Light e NeoMatrix Tech.
Gosta de música eletrônica, tecnologia, cinema (super fã de Jornada nas Estrelas), gastronomia e outras coisas mais.


Compartilhe nas redes sociais

   

Deixe seu comentário

comments powered by Disqus

Arquivo de Postagens