Cobrança

Você que é frequentador assíduo de casas noturnas e afins, qual é o melhor esquema de cobrança de entrada ou consumação?

Já vi basicamente três formas de se fazer a cobrança:

- Pós-pago: O frequentador pega uma comanda, usa-a para marcar a consumação e paga tudo (inclusive a entrada na casa) ao sair.

- Pré-pago em espécie: A entrada é paga durante a entrada (soou esquisito, né?) e a consumação é paga em dinheiro ou cartão no momento em que o item é comprado.

- Pré-pago com aquisição de “créditos”: A entrada é paga na hora, e a consumação é feita comprando-se “fichas” que podem ser trocadas no momento do consumo.

A primeira opção é mais comum nas casas noturnas, enquanto a terceira é mais comum em festas de grande porte. Todas tem suas vantagens e desvantagens.

Nunca cheguei a pensar em qual forma seria a melhor até presenciar, no sábado passado (28/04/2012), uma queda de energia em uma balada que frequento assiduamente, e a força não voltou rápido. Quando saí, ainda não tinha retornado lá e em boa parte do bairro de Moema. O sistema de cobrança da casa é basicamente a primeira opção, com a diferença que a entrada na casa é paga na hora e em dinheiro.

Esta opção depende fortemente de um sistema informatizado, e sem energia a rede não funcionava, né? Embora os computadores dos caixas tenham UPS (mais conhecidos por aqui como no-breaks) a comunicação estava indisponível e nenhum sistema de contingência foi utilizado. Pensaram em pegar as anotações em papel e ir somando. Impraticável, visto que a casa é bem frequentada. No final, quem declarasse que não consumiu nada, deixava nome, RG e CPF, enquanto outras pessoas declaravam o que gastavam e pagavam.

Particularmente prefiro o sistema pré-pago. Pagar na hora em que se consome, seja comprando créditos para consumo posterior ou pagando na hora mesmo. Assim, evita-se filas enormes na hora de ir embora e caso a energia caia, o frequentador não é prejudicado com uma queda de sistema.

Claro que filas não são evitadas com o sistema pré-pago, e este também exige muita atenção de quem o opera. Mas mesmo assim eu acho que o transtorno é menor.

E você, o que prefere?