O clima está esquentando na Copa do Mundo FIFA de Futebol de 2010. Não tanto pelo futebol demonstrado pelas seleções, e sim pela briga entre o técnico da Seleção Brasileira, Dunga, e a Imprensa Brasileira em geral, principalmente com a Rede Globo.

Na coletiva após o jogo contra a Costa do Marfim, partida vencida pelo Brasil, Dunga destratou o repórter Alex Escobar, da Vênus Platinada. Vejam o vídeo:


Dunga metendo o pau no Alex Escobar

Como diria Jack, o Estripador, vamos por partes:

Tá certo que o Dunga está exagerando. Uma coisa é não ser simpático, e outra coisa bem diferente é ser mal-educado. Quer dar patadas para atingir aqueles que te massacraram, faça, mas com classe.

Agora, na parte que diz respeito à cortar as asas da Rede Globo, estou com o Dunga. Chega de monopólio no futebol, o técnico da nossa Seleção está certo em querer colocar todas as emissoras no mesmo patamar. Nada deve ser exclusivo para A, B, ou C.

A Globo perdeu o oba-oba, não podendo fazer aquilo que fez em Copas passadas, chegando ao cúmulo de “montar barraca no campo de treinamento da Seleção”, ela está muito mordida. Por exemplo, chegaram a falar diretamente com o Barão de Munchausen, Ricardo Teixeira, Imperador da CBF, para que três jogadores dessem entrevistas exclusivas para o Fantástico. Dunga barrou.

A Imprensa Brasileira em geral, vive massacrando o técnico da Seleção desde que ele assumiu o cargo. Todos queriam a cabeça dele, estavam torcendo contra só para que o técnico fosse derrubado, mas os números estão mostrando ao contrário.

Mas o caso com a Rede Globo já é mais antigo.

Para este “round” da briga Imprensa x Seleção, digo: CHUPA GLOBO!!!

Agora, em um outro round desta queda de braço, o jogador Kaká mandou um “recado” para o jornalista Juca Kfouri (esse mesmo, o criador do Paulinho), em entrevista coletiva, respondendo a uma pergunta lançada por André Kfouri (o mesmo que deu piti por causa do mau-funcionamento de um chuveiro na África do Sul), filho de JK:


Kaká dando um recado para o Jucão

Religião é algo complicado de se discutir. Eu, por exemplo, tenho a minha religião, Tenrikyo, que frequento faz mais de dez anos, acredito em Deus.

Eu respeito quem segue outra religião (meu irmão é candomblé, só para citar um exemplo) e quem não segue religião alguma também.

Agora, o que eu NÃO respeito em hipótese alguma, e é aí que o Kaká se “enquadra”, é certas instituições que se dizem religiosas, mas que no fundo só servem para locupletar financeiramente seus líderes, em detrimento dos fiéis que as frequentam. Exemplos clássicos: Universal e Renascer, esta última frequentada pelo jogador.

Os líderes da Renascer cumpriram pena nos Estados Unidos por entrada de dinheiro ilegal, imagina, eles entraram com dinheiro escondido na Bíblia! E como a instituição é bem dizer reflexo de seus líderes…

No Tenrikyo aprendemos que a nossa meta é Deus, e não as pessoas, incluindo aí os líderes religiosos. Que Kaká acredita em Jesus, ótimo, perfeito, este é um dos caminhos para se levar à Deus e eu respeito isso.

Agora, ser conivente com CRIMINOSOS (lembrem-se: foram condenados e cumpriram pena lá fora, porque aqui no Brasil… vixe), já é outra história.

É isso aí, e apesar destas picuinhas, estou torcendo para o Brasil faturar o Hexa :).