Quando pensamos na palavra metade, geralmente vem à nossa cabeça o conceito de que faltam 50% para completarmos alguma coisa. Seja um objetivo, uma coisa material, ou outra soma de qualquer natureza.

Coração

Com os relacionamentos é a mesma coisa. Temos a impressão de que o outro vai completar alguma coisa que falta na gente, que não estamos completos.

Eu já pensei assim, que seria 100% feliz apenas ao lado de uma companheira. Que sem ela eu nunca seria feliz, sempre ficava faltando algo, ou seja, faltavam aqueles 50% para que eu me sentisse completo.

Mas agora penso de forma diferente. Somos autônomos, podemos ver a felicidade nas mais variadas coisas, bastando direcionar a mente em algo que achemos edificante: uma paisagem, os amigos, uma conversa bem produtiva, um projeto concluído, enfim, coisas que lavam a alma.

Ou seja, por nós mesmos já temos os 100% que são necessarios para vivermos felizes, basta pensarmos positivo.

Claro que é sempre bom ter aquela pessoa que gostamos ao nosso lado, demonstrando ou recebendo carinho, beijos, afagos, outras coisitas mas…

Mesmo que tenhamos 100%, coisas desse gênero fazem SIM falta, não vou negar. SEMPRE tem aqueles momentos que nos sentimos carentes.

Não vamos falar de carência aqui, pois o papo é outro.

Então, se já temos 100%, o que podemos aproveitar do outro? Sexo? Não, também não é questão disso.

A convivência mais íntima com o outro (sejam amigos, namoradas, esposas…) vai fazer com que as experiências de vida se somem às nossas, ou seja, estaremos agregando conhecimento que levaremos por toda a vida. E não estou falando sob o ponto de vista intelectual, somente.

E é uma via de mão dupla e recíproca: a outra pessoa TAMBÉM estará somando as nossas experiências às dela.

Quantas vezes não levamos uma “chamada” dos nossos amigos (só para fugir do óbvio que é a família) para que mudemos os nossos pensamentos? Pois é, eles falam algo que temos de refletir, e se for o caso, mudar. E eles aconselham conforme a experiência que cada um teve.

Não é só pelo lado positivo que agregamos conhecimento e experiência de vida. Pelas coisas negativas também podemos tirar algo.

Cara-metade também nos leva à idéia de namorada(o). Sim, é exatamente disso que estou falando. Quando temos um relacionamento mais íntimo com alguém, o casal passa a ser o centro das atenções nas rodas de amigos, sejam os nossos ou o da companheira(o).

Já não somos mais vistos como entidades individuais, (quase) sempre é o casal.

Então, os 100% que cada um trás traz consigo somam-se e se tornam 200%, as nossas experiências de vida somam-se sob o ponto de vista de quem está ao nosso redor.

Então, que tratemos a nossa companheira (ou o nosso companheiro) como alguém que vai somar muito mais do que só sexo e outras coisas. A parte física é muito legal, mas um relacionamento não vive só disso!

Então, ao invés em vez de de pensar que falta algo e que precisamos COMPLETAR, vamos pensar que temos que SOMAR algo, e carinhos, beijos, sexo, é a nossa recompensa à essa soma.

Um abraço!